Atualizado em: 
sex, 23/10/2020 - 15:26

Durante terceira edição do Congresso, Dataprev detalhou trabalho realizado durante pandemia

 

telas com autoridades“Auxiliar que os juízes e magistrados tomem as melhores decisões. Por isso, estamos trabalhando com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) desde o meio do ano para que os dados disponíveis no Executivo possam chegar rapidamente ao Poder Judiciário. As peças isoladas precisam ser ordenadas para trazerem informações. Dados sem integração não fornecem informação. A parceria resulta na resposta ao cidadão com a maior brevidade possível”, explicou o presidente da Dataprev, Gustavo Canuto, nesta quinta-feira (15), ao falar sobre o trabalho da empresa no Auxílio Emergencial do Governo Federal e, também, dos sistemas desenvolvidos para o CNJ.

O titular da empresa participou do ‘Painel: Justiça orientada a dados’, promovido pelo maior Congresso sobre revolução exponencial do ecossistema de Justiça – Expojud. O encontro virtual foi moderado pela conselheira do CNJ Maria Tereza Uille, que pontuou o DataJud do Conselho tem mais de 78 milhões de processos, em mais de 90 Tribunais. “Temos buscado identificar na base de dados como esses processos impactam na vida do cidadão. Durante a pandemia, recebemos a designação de identificar quais eram os dados que estavam impactando a judicialização nos Tribunais”, ressaltou.

Neste ano, durante a pandemia, a Dataprev atuou em parceria com o CNJ em quatro soluções tecnológicas:  Sisbajud, em substituição ao BacenJud, que trata de penhoras on-line; GovCloud, ambiente seguro em nuvem; INSS Jud, sistema em que a sentença do juiz chega com maior celeridade ao INSS; e no batimento dos resultados do Auxílio Emergencial, por meio do Acordo de Cooperação Técnica com o Ministério da Cidadania.

“Utilizar a tecnologia para facilitar o exercício da cidadania. Essa é uma das principais missões da Dataprev. O Poder Judiciário tem um papel fundamental para a garantia do direito do cidadão e por isso o trabalho em conjunto é tão importante”, reforçou Gustavo Canuto.

Durante o Painel,  o titular da Dataprev detalhou que, além da integração dos trabalhos e compartilhamento de dados entre os diversos órgãos da União, os resultados alcançados pela empresa no Auxílio Emergencial contaram com três pilares essenciais: Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS); experiência do corpo funcional na gestão dos benefícios previdenciários e assistenciais; e a infraestrutura tecnológica e de segurança dos Data Centers da empresa.

 “Somos parceiros tecnológicos do Ministério da Cidadania no reconhecimento inicial do direito dos cidadãos. Finalizamos o processamento do primeiro lote em seis dias. Em três meses foram 150 milhões de requerimentos analisados, com mais de 65 milhões de pessoas consideradas elegíveis”, completou.

Segurança e confiabilidade de dados

Outro tema mencionado pelos participantes do painel foi a segurança, privacidade e confiabilidade das bases de dados do Governo Federal.

“Felizmente, não tivemos qualquer vazamento de dados ou acessos indevidos as informações que transitaram pela empresa. O que mostra que nossas camadas de segurança estão funcionando”, ressaltou Canuto que reforçou ainda que uma das prioridades da Dataprev é de que os dados pessoais de cada cidadão e de seus familiares estejam devidamente protegidos. Para que isso seja possível, a empresa investe em novas tecnologias de qualidade e eficiência.

“A Dataprev conta com Data Centers com excelência internacional. É a única empresa pública do País que possui certificação Tier III Operational Gold. Somente três empresas privadas no País possuem grau de sustentabilidade dos seus centros de dados equivalentes”, completou.

Já o secretário executivo do Ministério da Cidadania, Antônio Barreto, ponderou sobre as camadas de segurança do programa, como por exemplo, o banco digital de fraudes – criado pelo órgão – que tem acionado a Polícia Federal nas investigações de fraudes encontradas.

Transformação digital

Durante o debate, o presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Leonardo Rolim, destacou a parceria com a Dataprev como fundamental para a evolução da transformação digital do Instituto. 

“A ampla transformação digital que o INSS possibilitou conseguirmos cumprir nosso papel durante a pandemia. Dos 96 serviços, 90 já são digitais. Com o aplicativo Meu INSS, desenvolvido pela Dataprev, reduzimos o tempo de espera para concessões e filas e mais benefícios foram concedidos. Continuamos com o fortalecimento e a confiabilidade das bases de dados. Avançamos muito e ainda temos muitos desafios. Teremos mais entregas com inclusão digital”, afirmou Rolim.

“Quando falamos em digitalização, a qualidade dos dados é a essência, é o insumo. Esse é um desafio mundial. Há algumas tecnologias em desenvolvimento, como a Blockchain, que permite uma inclusão em cadeia de várias fontes diferentes e algoritmos que verifiquem quais são os melhores dados para criar bancos cada vez mais fidedignos”, complementou Gustavo Canuto. 

O presidente finalizou sua participação destacando a importância da precisão e atualização das informações nas bases federais para a qualidade dos dados e obtenção dos resultados almejados. “Estamos investindo nisto. É uma preocupação do Governo Federal. E temos grandes parceiros no Ministério da Economia nessa tarefa como do secretário de Governo Digital, Luis Felipe Monteiro, e do secretário Especial [de Desburocratização, Gestão e Governo Digital], Caio Andrade”.

Ao final, questionados sobre a visão de futuro, Canuto e Rolim partilharam da mesma ideia de que a burocracia seja substituída pela tecnologia com o intuito de facilitar ainda mais o acesso dos serviços públicos aos cidadãos.

Saiba mais sobre a atuação da Dataprev na Transformação Digital do Governo Federal.