Atualizado em: 
qui, 15/10/2020 - 15:08

Novidade reafirma compromisso da empresa com práticas sustentáveis

 

Em seu compromisso com o desenvolvimento sustentável e com as boas práticas de mercado, a Dataprev conta agora com uma Política de TI Verde. O objetivo é seguir incorporando princípios e critérios de gestão que considerem a racionalização do consumo de energia e água, o combate ao desperdício, além de aquisições, construções sustentáveis e redução crescente do uso do papel na empresa.

Aprovada pelo Conselho de Administração e publicada em agosto, a Política de TI Verde tem entre as diretrizes o acompanhamento e a divulgação de indicadores de desempenho. “Diversas ações elencadas na Política de TI Verde já fazem parte das nossas orientações e dos programas da área”, ressalta o coordenador de Responsabilidade Socioambiental da Dataprev, Marco Aurélio Guilherme da Silva.

Imagem ilustrativa com mundo ao centro com ícones ao redor que remetem à sustentabilidade, como coleta seletiva, carros elétricos, entre outros,

De acordo com ele, a política aprimora, consolida e formaliza em princípios e diretrizes essas orientações, ratificando o compromisso da empresa com a sustentabilidade. A prática de uma TI Verde envolve desde os processos de doações de equipamentos, que beneficiam projetos de inclusão digital em diferentes estados, ao descarte de resíduos sólidos, em especial os eletrônicos (e-lixo), que são destinados a cooperativas de materiais recicláveis.

Data centers têm selo de eficiência energética

A política prevê ainda a adoção de especificações técnicas que contemplem os quesitos de eficiência energética e ciclo de vida dos equipamentos de TI, em que são processados diariamente os benefícios de milhares de cidadãos. A inclusão deste item reforça a preocupação constante da empresa para que o consumo de energia seja eficiente, uma vez que os data centers são um dos maiores consumidores de energia do mundo.

Na Dataprev, esses ambientes contam com sistemas de climatização de precisão, que, além de garantir as condições de temperatura e umidade adequadas aos equipamentos de TI, são mais eficientes do que os sistemas convencionais. Os data centers têm ainda configuração de corredor quente/frio, responsável pela separação entre o ar frio insuflado pelo sistema de climatização e o ar quente dissipado pelos equipamentos. O modelo garante melhoria da eficiência energética do sistema de climatização, já que não há mistura entre ar frio e ar quente.

Além disso, os data centers São Paulo e Rio de Janeiro possuem sistemas de climatização baseados em água gelada, com utilização de chillers de condensação a ar, que, além de mais eficientes, permitem um acompanhamento contínuo das condições ambientais externas (temperatura e umidade), visando elevar a temperatura de saída da água gelada. Para se ter uma ideia, o aumento de 1º C na temperatura da água proveniente dos chillers pode representar uma economia de até 2% no consumo de energia total do data center.

Essas medidas levaram a Dataprev a se tornar, em 2018, a primeira empresa pública da América Latina a receber o selo CEEDA - Certified Energy Efficiency in Data Centres Award – que atesta as melhores práticas de eficiência energética de seus três data centers. O selo, conferido pela Datacenter Dynamics Brasil Tecnologias Ltda, confirma que a gestão e operação dos ambientes estão alinhadas com a estratégia de sustentabilidade operacional da empresa.

“A Dataprev ainda tem com o selo e o processo de renovação acontecerá até o final deste ano”, explica Eduardo da Costa Sousa, gerente da Divisão de Gestão de Facilities.

Política de Responsabilidade Socioambiental

Além da Política de TI Verde, a Dataprev conta também com uma nova Política de Responsabilidade Socioambiental, também aprovada pelo Conselho de Administração da empresa.

Segundo Andrea Castello Guimaraes, assessora da Coordenação de Responsabilidade Socioambiental (CORS), a nova política traduz os avanços acumulados pela área ao longo dos anos, além de atualizar diretrizes legais e conceitos, mantendo as diretrizes do eixo social, como o respeito aos direitos humanos, a promoção da equidade e a inclusão de pessoas com deficiência.

“O alcance da política também é ampliado, abrangendo mais objetivamente as dimensões ambiental e econômica, uma vez que os três pilares estão interligados, para que haja uma atuação proativa centrada no desenvolvimento sustentável e no crescimento responsável integrados ao negócio da empresa e ao cenário contemporâneo de transformação digital”, explica Andrea.